"Aprenda com os exemplos de redação, use-os como exemplos de redação do enem, para o enem 2014. Vá à página Modelo de Redação Dissertativa. Nos inúmeros exemplos de redação dissertativa, note o destaque, abaixo de cada página "exemplos de redação", de temas para redação do enem, ou de vestibular. Saiba, enfim, o que é produção de texto e como fazer redação Enem, como fazer uma redação de vestibular ou concurso público. Temas para a produção de texto, dicas para a produção de texto. Enem 2014. Vestibular 2014. Concurso público."

(Prepare-se já!)

Exemplos de redação Enem


MAIS UMA CONFERÊNCIA DA EDUCAÇÃO


O governo promoverá, entre os dias 17 e 21 de fevereiro, em Brasília, a segunda Conferência Nacional de Educação (Conae). A primeira foi realizada há quatro anos e resultou no Plano Nacional de Educação. O objetivo era estabelecer diretrizes para todos os ciclos de ensino, no período de 2010 a 2020. Mas, como o projeto foi enviado com atraso pelo Executivo, optou-se por fixar nove anos de prazo para sua execução. Até hoje ele não foi aprovado pelo Congresso.

A segunda Conferência Nacional de Educação foi convocada para discutir "a articulação do sistema educacional entre a União, Estados e municípios", com base em três pontos: participação popular, cooperação federativa e regime de colaboração. A fase preparatória do evento foi concluída há três semanas, com a apresentação de 11 mil propostas em 2,8 mil reuniões, realizadas com a participação de 450 mil pessoas, segundo o Ministério da Educação (MEC).

Para balizar os debates da conferência, definida pelo governo como "um espaço democrático de construção de acordos entre atores sociais" capazes de "expressar valores e posições diferenciadas sobre aspectos culturais, políticos e econômicos", o MEC preparou um extenso Documento-Referência, sintetizando as 11 mil propostas recebidas. A ideia é que elas sirvam de base para que Estados e municípios implementem o Plano Nacional de Educação, quando ele finalmente entrar em vigor.

O Documento-Referência, no entanto, carece de precisão, objetividade e rigor conceitual, sendo inútil para orientar ou mesmo subsidiar programas educacionais. Não passa de um amontoado de chavões políticos e de clichês ideológicos que os movimentos sociais, entidades sindicais e corporações profissionais do setor educacional atrelados ao Partido dos Trabalhadores (PT) gostam de usar em suas manifestações.

O texto enfatiza, por exemplo, a importância da democratização, da inclusão, da igualdade, da diversidade, da justiça social e dos direitos humanos na formulação de políticas educacionais. Destaca o papel do ensino como "instrumento de avanço na construção de processos democráticos, em consonância com as lutas histórias e debates construídos pela sociedade civil organizada". Destaca "a superação da segregação das pessoas com deficiência, das desigualdades étnico-raciais, de gênero e de orientação sexual" e a "valorização da educação do campo, quilombola e escolar indígena a partir de uma visão que as articule ao desenvolvimento sustentável".

Como nas Conferências Nacionais de Comunicação e de Direitos Humanos promovidas pelo governo, desde a ascensão do PT ao poder, o texto também fala em controle social, por meio de "participação social e popular". Mas relega para segundo plano a importância do princípio do mérito no sistema educacional, defendendo "a efetivação de uma avaliação educacional emancipatória para a melhoria da qualidade dos processos educativos e formativos". Por fim, fala dezenas de vezes em diálogo, consenso, construção coletiva e inserção soberana no cenário mundial, como se essas palavras se articulassem de modo unívoco e evidente para todos. E, tornando tudo ainda mais confuso e demagógico, propõe a "gestão democrática na educação básica".

As conferências nacionais foram criadas há mais de duas décadas sob o pretexto de fortalecer os mecanismos populares de representação política. Em suas gestões, os presidentes Fernando Collor, Itamar Franco e Fernando Henrique Cardoso convocaram 2, 6 e 17 conferências nacionais, respectivamente. Em seus dois mandatos, Lula convocou 55, apresentando-as como alternativa ao modelo da democracia representativa e as utilizando para cooptar ONGs e movimentos sociais. Agora, a presidente Dilma Rousseff organiza mais uma conferência na área da educação que, como ocorreu com a primeira, também será realizada num ano de eleição presidencial. A educação continua, assim, sendo objeto de muita falação inconsequente e de pouca ação eficiente.

(Fonte: O Estado de S.Paulo)


VOLTAR AO ÍNDICE 1


Redação Enem: Temas e tópicos: redação sobre educação, Conae, Plano Nacional de Educação (PNE), ensino, cooperação federativa, redação no enem, colaboração, MEC, atores sociais, aspectos culturais brasileiros, temas para redação do enem, aspectos políticos brasileiros, programas educacionais, redação sobre educação, aspectos econômicos brasileiros, movimentos sociais, entidades sindicais, corporações profissionais, redação sobre ensino no brasil, manifestações, protestos, democratização do ensino, redação sobre sistema educacional brasileiro, inclusão social, igualdade social, diversidade cultural, justiça social, redação sobre direitos humanos, políticas educacionais, processos democráticos, sociedade civil organizada, desigualdades étnico-raciais, orientação sexual, desenvolvimento sustentável, redação sobre controle social, participação social e popular, redação sobre avaliação educacional, qualidade do ensino, demagogia política, redação sobre soberania nacional, gestão democrática, democracia representativa.


REDAÇÃO DISSERTATIVA, ENEM 2014, REDAÇÃO NO ENEM, TEMAS PARA REDAÇÃO DO ENEM, REDAÇÃO SOBRE EDUCAÇÃO, REDAÇÃO SOBRE ENSINO NO BRASIL, REDAÇÃO SOBRE SISTEMA EDUCACIONAL BRASILEIRO ...