"Aprenda com os exemplos de redação, use-os como exemplos de redação para vestibular. Vá, também, à página Dicas de redação e saiba o que é produção de texto e como fazer uma redação para o vestibular. Temas para a produção de texto, dicas para a produção de texto."

(Prepare-se já!)

Exemplos de redação Vestibular


CRIME INOMINÁVEL


Ás vésperas de uma data triste para o país, os 50 anos do golpe civil-militar de 1964, começam a vir a público depoimentos de agentes da repressão que reafirmam, de forma explícita ou com eufemismos, o uso da tortura de presos políticos durante o regime ditatorial. Foi assim com o depoimento do coronel reformado Paulo Malhães à Comissão Nacional da Verdade. Malhães não só admitiu que os inimigos do regime sofriam violências nas prisões, como forneceu detalhes aterrorizantes sobre a mutilação de corpos, para que não fossem identificados. O militar repetiu que não se arrepende do que fez, a mesma linha de defesa do também coronel Brilhante Ustra, que não se referiu diretamente à tortura, mas a excessos, em entrevista à Zero Hora do último domingo.

Ambos convergem para a tentativa de justificar seus atos e dos militares que torturaram ou ordenaram torturas, como se tal recurso fosse aceitável para que, segundo eles, chegassem à verdade. Ambos, a tortura e o conteúdo dos depoimentos à Comissão e à ZH, são abomináveis. Torturadores são criminosos sádicos, a tortura é um crime repugnante, e o Estado torturador ofende a civilização, o bom senso e a própria condição humana. Não se pode transigir em relação a isso. Ressalte-se, no entanto, que Ustra, Malhães e outros já denunciados por atos violentos contra prisioneiros agiram em nome de quem detinha o poder. Os militares, seus superiores e seus subordinados foram usurpadores do Estado e se utilizaram de suas estruturas para agir de forma autoritária e criminosa.

Há muito, antes mesmo da redemocratização, o país se questiona sobre as arbitrariedades cometidas durante a ditadura. O depoimento de Malhães apenas confirma o que os brasileiros já sabiam em relação à tortura, à morte e ao desaparecimento de presos políticos. É compreensível que, em meio à consternação de tais revelações, parcela importante de cidadãos condene a oportunidade dada a torturadores para que falem de seus atos ou mesmo neguem acusações. O que a Comissão da Verdade e o jornalismo fazem, em casos como esses, é parte do cumprimento de suas atribuições, para o esclarecimento de fatos históricos, por mais repugnantes que possam ser.

É natural também que a repercussão dos depoimentos fortaleça o ponto de vista de quem entende que a tortura é imprescritível. Subjugar e submeter prisioneiros a atos violentos, humilhantes e moralmente insustentáveis constituem de fato crime contra a humanidade, sem prescrição, como determinam as convenções internacionais, das quais o Brasil é signatário. Responsáveis por torturas não podem se proteger nas controvérsias jurídicas e no argumento de que agiram politicamente. O Brasil precisa iluminar e julgar tais fatos e fortalecer a consciência de que os regimes totalitários nunca mais se repetirão.


F I M


(Fonte: http://diariocatarinense.clicrbs.com.br/sc/diario-da-redacao/noticia/2014/03/crime-inominavel-4457283.html)


VOLTAR AO ÍNDICE 1


Redação Vestibular: Temas e tópicos: violência, agentes da repressão, presos políticos, mutilação de corpos, redação dissertativa, militar brasileiro, criminosos sádicos, exemplo de redação, vestibular ufrgs, civilização, temas de redação de vestibulares, atos violentos, prisioneiro político, redação sobre tortura, redemocratização, arbitrariedades militares, redação dissertativa pronta sobre golpe civil-militar de 1964, ditadura militar, desaparecimento de presos políticos, redação pronta sobre regime ditatorial, cidadão brasileiro, jornalismo, redação dissertativa pronta sobre violências nas prisões, crime contra a humanidade, convenções internacionais, redação sobre regimes totalitários.


REDAÇÃO DISSERTATIVA, EXEMPLO DE REDAÇÃO, VESTIBULAR UFRGS, TEMAS DE REDAÇÃO DE VESTIBULARES, REDAÇÃO SOBRE TORTURA, REDAÇÃO DISSERTATIVA PRONTA SOBRE GOLPE CIVIL-MILITAR DE 1964, REDAÇÃO PRONTA SOBRE REGIME DITATORIAL, REDAÇÃO DISSERTATIVA PRONTA SOBRE VIOLÊNCIAS NAS PRISÕES